Total de visualizações de página

quarta-feira, setembro 28, 2016

UM SAMBA ENREDO DE VILA ISABEL



Quando se fala de escola de samba no Rio de Janeiro, embora existam muitas escolas maravilhosas, há algumas que são como os grandes clássicos ou os grandes times: por mais que não tenha a glória de outrora continuam lendários. Não escondo que, por razões históricas e sentimentais, Mangueira, Portela e Vila Isabel se inserem, para mim, na ordem das grandezas incomensuráveis. Suas cores, a beleza dos seus desfiles, o som, a dança, o samba e a história falam por si só. Dão a tais escolas uma aura que poetiza o seu entorno. E, por mais que digam que o carnaval de hoje já não é mais o mesmo, devo dizer que isto não importa. Ainda há vida nas quadras, nas rodas de sambas e mesmo nas disputas dos sambas enredos.
E sinto este frescor e esta vida quando, como agora, uma profusão de sambas enredos disputam a oportunidade de serem escolhidos para o desfile das escolas. Em particular, por amizade, me importo muito com o desfecho da escolha do samba de Vila Isabel. Lá um dos sambas, que tem como tema a cor do som, é o de Grande da Caneta que divide a autoria com Betinho Santana, Almeidinha, Malandro Maneiro e Ricardinho Professor, os dois últimos que são os interpretes. Como acontece com os sambas enredos atuais a música é bem melhor do que a letra, embora muito bem adaptada, e gosto muito do refrão que diz:
“A Vila é raça, é amor pra vida inteira/ o som da cor que faz o corpo balançar/ A negritude que orgulha a sua tez/ vem kizombar outra vez!”
A kizomba é um estilo musical e de dança africana, que surgiu, em Angola, a partir da fusão do semba, do zouk e de outros gêneros estrangeiros, como o merengue e algumas baladas da Música Popular Brasileira (MPB). A palavra, porém, que se originou a partir do kinbundo - língua africana que ainda é falada na Angola, ajudou a construir algumas expressões e termos brasileiros com o significado de "exaltação do povo", como forma de celebrar a vida e a libertação dos escravos africanos. Kizombar é um aproveitamento, como fazem muitos compositores, de palavras que nem sempre são correntes. Mas, corrente mesmo é a paixão pelas escolas, as disputas que marcam a escolha dos sambas enredos. Torço pela vitória deste samba enredo de Vila Isabel. Não poderei, ir as quadras para assistir, como em anos passados, o processo de seleção, mas, gostaria muito de poder “kizombar outra vez” no carnaval de 2017 com o samba de Grande Caneta e parceria. Quem sabe? De qualquer forma para quem quiser sentir um gostinho do samba enredo postei no Jornal Diz Persivo (http://persivo.blogspot.com.br/). É uma forma de, mesmo distante, dizer para os amigos de Vila Isabel que estão no meu coração e lembrança.



sexta-feira, setembro 23, 2016

STARUP DAY SEBRAE: UM EVENTO INOVADOR E NECESSÁRIO


Sem dúvida foi uma excelente iniciativa do Sebrae a realização do Sebrae Startup Day, evento realizado, no dia último dia 22 de setembro, com a participação de 48 cidades de todo o Brasil com o objetivo, além de fomentar o ecossistema inovador brasileiro, apresentar a experiência Sebrae Like a Boss de atendimento às startups nos estados. Em Porto Velho o evento aconteceu no 2º piso do Porto Velho Shopping e foi um grande sucesso. O evento proporcionou a oportunidade de troca de experiências (palestras, debates, encontros, hangouts) e atividades práticas (workshops, oficinas, treinamentos), e até de meetups com os principais atores do ecossistema para networking.

Vale ressaltar que, ao nosso ver, faltou, pelo menos em Porto Velho, o que pode perfeitamente ser corrigido em outras oportunidades, uma maior integração com as instituições de nível superior. É fundamental que se desperte, em especial nos universitários, a ideia da necessidade do empreendedorismo,  de passarmos da fase em que o jovem se prepara para obter um emprego para que crie suas próprias oportunidades. Neste sentido é indispensável acentuar que o termo “starup” foi utilizado na bolha da Internet, entre 1996 e 2001, para denominar um grupo de pessoas trabalhando com uma ideia diferente que poderia fazer dinheiro.
Além disto, startup sempre foi sinônimo de começar uma empresa e fazê-la funcionar. No fundo, a definição mais exata é a de que startup é um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza. Subjacente a isto também existe a ideia de que se trata de uma empresa com custos de manutenção muito baixos, mas, com possibilidade de  crescer rapidamente e gerar lucros cada vez maiores. Há, como se observa, sempre a incerteza, ou seja, não há como afirmar se a ideia e/ou projeto de empresa irão dar certo ou ao se provar sustentáveis. O que é muito importante, por isto o evento é inovador, é a propagação da necessidade do empreendedorismo, como forma de melhorar a vida do país, e, principalmente, entre os jovens, bem como buscar modelos de negócios. Que iniciativas como estas se reproduzam em prol de um país melhor.  

quarta-feira, setembro 14, 2016

UM BELO LIVRO DE RECUPERAÇÃO DA NOSSA HISTÓRIA


O livro “A Cidade Que Não Existe Mais” da Editora Temática, de Júlio Olivar, é, sem dúvida, um livro muito fácil e agradável de ler. Que não se pense, porém, que o fato de ser simples, e leve, indique falta de conteúdo e de complexidade. Efetivamente, é um livro rico de informações e de indagações na medida em que, embora alegue ser a visão de história de um jornalista, não deixa de ser um grande livro de história. Existem vários fatores que comprovam isto. Em primeiro lugar o próprio tema. Santo Antônio do Rio Madeira, de fato, não morreu e sim ampliou-se em Porto Velho e, ao escavar o passado, Olivar mostra que, de certa forma, este continua a repetir-se. Somos, como no passado, ainda o fim do mundo, os sertões, o lugar da desarrumação, da violência e do aventureirismo, mas, nem por isto também isento de poesia e de beleza. 
Em segundo lugar, o livro recupera, moderniza digamos assim, informações preciosas sobre a história de Porto Velho e, por extensão, do Mato Grosso  e do Amazonas. Desfilam vultos cuja grandeza é inconteste, no entanto, despidos do manto mítico que o tempo costuma dar, como foram os casos de Costa Marques, Joaquim Augusto Tanajura, Aluízio Ferreira, Mário de Andrade, Major Amarante, Aureo Melo só para citar alguns. Em terceiro lugar, para não alongar mais a lista de motivos, examinando os fatos sem a determinação de ser juiz, Olivar abre espaço para novas abordagens, ao deixar em aberto episódios e versões sobre um passado já não tão recente, mas, sem tantos intelectuais, historiadores e escritores que tenham se debruçado na busca de iluminar a história e não apenas de repetir as lendas.  
Para quem, como nós, portovelhenses, nativos ou adotados, que estamos permeados pelos eflúvios da história de Santo Antônio, somente as fotos existentes reunidas já dariam um valor inestimável ao livro, todavia, a visão que nos oferece do passado é um excelente retrato para nos lembrar que temos sim uma história, uma grande história. O que precisamos, e muito, são de pessoas que, como Julio Olivar, se disponham a fazer, como fez, um verdadeiro trabalho de pesquisa para, ao recuperar o passado, buscar tornar o futuro diferente, de vez que a memória é a base cultural da grandeza de qualquer povo. E nós precisamos, mais do que nunca, cuidar da nossa memória. Precisamos de muito mais Júlios escrevendo sobre Rondônia.


domingo, agosto 28, 2016

SAUDOSISMO RONDONIENSE


Postaram, no Facebook, no grupo Saudosismo Portovelhense, o primeiro ônibus de linha a chegar em Guajará-Mirim, em 1967. Isto me levou a pensar como os ônibus mudaram. E os usos e costumes desde quando, em meados da década de 70, aportei em Porto Velho. Ainda se comia tartarugas no seu Amorim, na Pedro II. No fim da tarde, havia um tacacá no centro ou ainda se comia uma boa maniçoba. Nem falo de caranguejo ou de deliciosas tapiocas no café da manhã. Mas, é da vida, as coisas passam. Porto Velho possuía um bom carnaval, festas juninas maravilhosas, um ar provinciano e pacato que sumiu com o tempo.

Somem muitas coisas no tempo. O Luís Matos, um escritor de fatos e coisas do Guaporé, lembrava que sumiu o costume de dançar a “Desfeiteira”, dança típica do Vale do Guaporé ao som de acordeon, sanfona ou fole, qualquer nome que se queira dar, que podia ser acompanhada do pandeiro, se existisse, mas, invariavelmente, do bombo, um instrumento de percussão, feito artesanalmente de couro de viado retesado sobreposto a um pau oco de um metro. Um instrumento rústico de bom som, porém, de poucas notas, daí o som monótono e repetitivo, o mesmo tra-lá-lá sempre. Que era animado era. A diferença da dança consistia em que, quando o sanfoneiro parava, o par que se encontrasse na sua frente tinha obrigação de dizer um verso alto para todo mundo ouvir. Muitas vezes os versos que saíam eram irreverentes e havia pares que fugiam, mas, o sanfoneiro ia atrás para obrigar todos a declamar um verso. Muitos eram jocosos e, mesmo os imorais, eram de uma imoralidade implícita. Também sumiu o costume denominado “saca-borracho” (tira bêbado) que era o de, logo ao começar o baile, o dono da casa apresentar uma criança de colo como autoridade máxima. Se alguém se excedia na cachaça, logo aparecia o pai com a criança e o mandava dormir. Ia compulsoriamente, sem reclamações. Outro costume que desapareceu foi a  parte do chapéu, que era um baile onde um dos dançantes aparecia com um chapéu e dançando colocava na cabeça do outro. Que procurava se livrar rápido, pois, se a parte terminava, a música parava, quem estava com o chapéu na cabeça pagava um litro de vinho para as damas. São costumes que se perderam no tempo. Como o famoso “Bloco da Cobra” são só saudosismo rondoniense. 

sábado, agosto 27, 2016

As amizades verdadeiras ultrapassam o tempo



DE AMIZADES, SAMAUMEIRAS E FÉ

“A amizade é uma predisposição recíproca que torna dois seres igualmente ciosos da felicidade um do outro” (Platão).


Ter amigos é uma dádiva. Para lembrar que as amizades são raras um dos consensos que existe é de que os verdadeiros amigos se contam na ponta dos dedos. Também se afirma que a verdadeira amizade, como o verdadeiro amor, resiste à distância, ao tempo, as dificuldades e aos dissabores. Mas, como as plantas devem ser regadas. E, toda esta introdução, é apenas para poder falar de uma bela amizade que une duas grandes figuras da Amazônia por décadas: Euro Tourinho e Almino Affonso.
Iniciada nos velhos tempos de Porto Velho, quando ainda eram crianças, ambos, são grandes cultivadores de amigos, tanto que possuem mais amigos do que o normal, porém, jamais, entre eles, deixaram de estar presente por uma carta, no passado, por um e-mail, no presente, pelo envio de um convite ou de um livro ou ainda a lembrança de uma data importante. E isto fica mais uma vez comprovado quando, depois de Euro ter sido homenageado com no lançamento do livro “Euro Tourinho, a Samaúma da Imprensa Amazônica”, Almino Affonso, que não teve como vir, gentilmente envia um bilhete para Euro com as seguintes palavras:

“Caríssimo amigo:

Na singeleza desse soneto, escrito em Porto Velho nas férias de 1948, eu já previa o teu destino de ‘Samaúma’.

Grande Abraço
Almino Affonso

E anexo o soneto agora transcrito:

SAMAUMEIRA
                                              Para Euro Tourinho
Samaumeira! Lianas e flores, em festa,
Descem da copa imensa que a amplidão fareja...
E o sol, em sangue e ouro, portentoso beija
A soberana-graça e força- da floresta.
Mas, quando, em transe, o vento sopra as tempestades,
E lhe fere, zimbrando, a colossal umbela,
Luta, esbraveja, cai...grandiosamente bela,
Porém, jamais se curva como os vis covardes!
Golpeada, ainda assim, vai soltando as sementes,
Louros, plumeos casulos, livres e frementes,
Que se livram e vão nascer léguas além...
Atenta: se algum dia na vida fraquejares,
Não importa....do amanhã na vastidão dos ares,
Na força de tua fé reviverás também!


Como se observa todas as grandes árvores, como as grandes personalidades, não desconhecem que viver é lutar e, para lutar o bom combate, é preciso ter fé. 

quarta-feira, agosto 10, 2016

EXPLICAÇÃO UM POUCO DESNECESSÁRIA


Embora tenha explicado no próprio livro, no entanto, sei que, muitas pessoas, não terão acesso a ele, bem, como até mesmo alguns que terão, não possuem paciência para ler mais do que algumas linhas, e, tenho me deparado, invariavelmente, com a pergunta que não quer calar: por que resolvi escrever um livro a respeito do jornalista e diretor do Alto Madeira Euro Tourinho?  Há uma, e só uma resposta clara para mim, realizei, mesmo que, tardiamente, o desejo de um amigo que me foi muito caro, o também jornalista Sued Pinheiro.
Foi Sued quem, por inúmeras vezes, me chacoalhava e me cobrava “-Vamos escrever um livro sobre ‘seu’ Euro”. Devo dizer que, no começo, a ideia me parecia pouco atraente. Não pelo Euro, que é uma pessoa querida, amável, porém, devo confessar que sou um preguiçoso nato e, para me dedicar a pesquisar alguma coisa é preciso ter paixão. No caso, não nego meus pecados, também pensava que, como havia sido nosso chefe de jornal, poderia parecer algo com certa aura de bajulação. Ele, porém, não desistia e, sempre que possível, não só voltava a tocar no assunto, bem como me admoestava sobre a necessidade de homenagear as pessoas em vida. Sempre, com um certo descaso, afirmava que, nós é que deveríamos ter cuidado, pois, Euro Tourinho, certamente, assistiria muitos de nós partirmos antes. Só não contava que Sued fosse um dos que partiram e tão cedo. Com a sua morte, que me deixou, uns três meses, consternado, e até, em alguns momentos, sem crer, ou crendo que era ele que batia, como muitas vezes fez, na porta de minha casa, reformulei meus conceitos.

E entre as decisões da mudança decidi que, pelo menos, no caso de Euro, não cometeria o erro de não homenageá-lo em vida. De fato o livro “Euro Tourinho, a Samaúma da Imprensa Amazônica” é uma homenagem, que é mais do Sued do que minha, ao nosso querido diretor. E, ao contrário do que pensava, a tarefa foi prazerosa, de vez que não apenas nos aproximamos mais, como procurei tornar o livro como Euro é: leve, divertido, tentando fazer um relato de partes de uma vida de um homem sábio. Devo dizer que, no fim, o livro ficou muito aquém do homenageado, mas, tenho um grande orgulho e o prazer de ter feito. Afinal me associei, por vias tortas, a um homem que é uma lenda viva. E que ainda por muito tempo há de servir de exemplo de pessoa humana, de simplicidade e de ser o que é: uma pessoa que procura sempre fazer as coisas que devem ser feitas e viver feliz. 

Foto: Rosinaldo Machado

terça-feira, julho 26, 2016

O DESAPEGO COMO UMA ARMA DA ARTE DE VIVER


Uma dúvida que sempre me assalta é a de que se, de fato, há evolução humana. A verdade é que gosto de viver e a vida, hoje em dia, neste século XXI, embora seja, sem dúvida, muito mais confortável, me parece também mais enganosa, mais difícil de se compreender e o Brasil, também os brasileiros que vivem aqui, e lá fora, me parecem cada vez mais selvagens e incompreensíveis. No geral, sinto, a contragosto, uma imbecilização em massa. Vide o recente episódio da Marcela Tavares em Nova York. Bem é possível que exista um stand-up que preste, mas, convenhamos, abrir um show de uma banda com um, já me parece uma insanidade. Outra, e nem preciso que todo mundo concorde, é mulher dizendo palavrão, mesmo o infantil de santificar os palcos. O problema maior é que, seja qual for a visão que se tenha da humorista, ela falou a pura verdade: o Brasil está mesmo insuportável. Aliás, não é o Brasil só. È o mundo. Ou será que todos pensam que o Donald Trump conseguiu garantir o número mínimo de delegados para ser candidato por estarmos perto de novos tempos?
Por todas essas coisas é que tenho tentado me desapegar de tudo. Tudo mesmo. Livros, papéis, escritos e poesias velhas. Móveis e utensílios nem falo mais. Conclui, depois de muito tempo de apego, que o desapego é, definitivamente, uma grande qualidade. É sempre mais fácil o desapego às coisas, mas, também, às vezes, é preciso, indispensável, o desapego com as pessoas. Isto sempre foi muito difícil. Diria que, mesmo impossível, para mim, mas, ultimamente, tenho pensado que é melhor, mais saudável, mais salutar ter menos pessoas, com mais tempo, com mais carinho, com mais amor e dedicação. E se preciso de uma prova escuto o bandolim do Lito Casara, o violão do Nicodemos, a voz do Caté e me regalo com o papo descontraído, líquido e prazeroso dos amigos, como o Marcus Vinicius, o Demétrio, o Gêgê, os Macaxeiras e alguns novos e instigantes, além de belos interiormente, como a Tamires e a Taina. Ter o prazer de conviver com pessoas novas e inteligentes é uma coisa que me faz crer no mundo e solidificar minha crença de que Marlon Brando não morreu. Quem amanteiga uma mulher como Maria Schneider sobrevive até mesmo ao último tango.
Talvez isto também provenha do fato de que alguns amigos, bons amigos, fizeram, creio que também sem meios de se contrapor, o dissabor de ir embora mais cedo. E a falta deles dói. Dói muito. Me consola o fato de que alguns me obedeçam e sigam a regra essencial que imponho aos amigos agora: a de não irem embora sem aviso prévio. Ainda assim a morte não respeita minhas regras e vai levando quem pode. Por tudo isto, como se sai desta vida como se entra, sem nada, liso e nu, estou exercitando a arte de rir até mesmo para saber deixar as coisas e as pessoas irem, quando não podem, não querem ou não podem mais ficar. Sempre dói, mas, é melhor se acostumar. Um dia como nos desapegamos deles, então, os que sobrarem se desapegarão de nós. A arte do desapego faz parte da arte de viver. Bem, vocês podem não compreender muito bem  a razão de ter escrito isto, porém, é parte de um processo que também não entendo, ou seja, está perfeitamente coerente com os nossos tempos.


Ilustração: www.viva50.com.br