Total de visualizações de página

quinta-feira, junho 06, 2019

OS DANOS DA INSEGURANÇA JURÍDICA


No começo do ano o novo ministro da Economia, Paulo Guedes, andou apontando caminhos que poderiam mudar muito o País. Em primeiro lugar, disse que a carga tributária atual de 36% representa um fardo muito pesado e estava muito acima da existente em outros países similares em tamanho ao nosso. E disse que a carga tributária ideal para o Brasil seria de 20%, porém, que para chegar a isto a velocidade dependeria dos gastos. E apontou o excesso de gastos na publicidade e na compra de influência parlamentar como formas que deveriam ajudar a diminuir as despesas. Uma parte, de fato, está aí, no entanto, o enxugamento do governo exige mais. Exige, principalmente, que se atente aos custos das compras, ao controle das despesas também. Fazer este dever de casa é essencial sim para sanear as contas públicas. Ocorre que isto somente não será capaz de mudar o Brasil. Para mudar será preciso que se faça um trabalho profundo de desburocratização e de criar segurança jurídica para a economia.
A segurança jurídica é uma categoria de direito que indica estabilidade nas relações judiciais, seja na questão da não alteração arbitrária das normas legais, seja  na  previsibilidade do resultado de uma ação judicial. Este princípio serve como um dos pilares fundamentais do estado de direito, pois,  a organização social depende da confiança que os  cidadãos têm no Estado, ou seja, na confiança de que, quando tiver um direito violado, esse estado o protegerá. Trata-se de um princípio que, embora não inscrito na Constituição, está implícito em muitos dos seus artigos, mas, que é continuamente desrespeitado a todo e qualquer instante. Basta verificar que pouco países dispõem de um cipoal de leis tão complexo quanto o  Brasil. Mas, o problema não é somente a quantidade. É o fato de que as regras do jogo mudam a cada dia, o que deteriora o ambiente de negócios, afasta investidores e emperra o crescimento econômico. Principalmente, os estrangeiros, de vez que nós já nos acostumamos com a insegurança cotidiana, não conseguem entender como até mesmo um agente público estadual ou municipal, por exemplo, com um simples parecer afeta toda uma pratica de anos de tramitação comercial. E o que é pior: quando se recorre ao judiciário custam a decidir contra o governo ou até mesmo coonestam mudanças que, a rigor, careceriam de uma nova legislação. Isto é, particularmente sensível, quando se trata do setor tributário onde a complexidade por si só já é um problema que torna difícil, para qualquer um, entender como as coisas funcionam por aqui, como as decisões são tomadas, como se dá o ordenamento jurídico. O que se conclui é que o excesso de leis, de regulamentos, de normatizações e suas mudanças constantes, aliadas ao fato de que as diversas interpretações da Justiça no Brasil, criam incertezas que impedem a previsibilidade e desencorajam investimentos, novos negócios. Um exemplo recente é a discussão sobre uma nova lei dos dividendos. A isenção dos tributos sobre os dividendos é um incentivo para pessoas físicas e fundos investirem mais, porém, até parece que o país não necessita de investimentos. Necessita sim. E necessita muito mais ainda de simplicidade e permanência no seu ambiente de negócios. Somos extremamente prejudicados como nação pelo permanente estado de insegurança jurídica que faz dos planos de negócios e projetos econômicos tabula rasa. Efetivamente, há uma ignorância econômica muito grande sobre a necessidade de estabilidade no ambiente de negócios para que o país possa ter crescimento econômico e se criam leis, decretos, regulamentos e normas que aumentam as despesas das pessoas jurídicas e físicas como se os recursos de que dispõem estivessem à disposição dos agentes públicos. Diariamente se criam despesas inesperadas para o contribuinte sem que, muitas vezes, quem usa a caneta tenha a menor noção do que é uma empresa e de seus custos. É indispensável que as leis sejam simplificadas e haja segurança jurídica dos negócios ou estaremos condenados a ser sempre o país do futuro.



segunda-feira, abril 01, 2019

Viva a poesia



Sinceramente os tempos não são propriamente bons para os que, igual a mim, gostam de refletir, antes de discutir, e procurar ter uma visão construtiva, diria mesmo que, de futuro, das coisas. E, como estamos numa época onde tudo que é sólido se desmancha no ar, estou quase virando um monge, um eremita. De fato, sair de casa só se for por uma boa conversa, uma boa música, um jantar ou um vinho com os poucos (e bons) amigos que tenho. Estou mais para uma tartaruga ou como a avestruz que, todos pensam que, nas situações difíceis, enterram a cabeça na areia. Pura lenda: se parecem comigo, pois, correm mesmo (e muito). A diferença é que tanto corro, quanto durmo. O sono é meu antidoto contra muitos males. Durmo muito. A preguiça deve ser minha companheira de alma. Vou devagar, devagarinho... Bem, isto tudo foi somente para dizer que, como não desejo me ocupar de assuntos traumáticos, vou me ocupar de arte. De paixão para arte. Nada melhor, portanto, que lembrar os versos de Jorge de Lima:
PAIXÃO E ARTE
Jorge de Lima
Ter Arte é ter Paixão. Não há Paixão sem Verso…
O verso é a Arte do Verbo – o ritmo do som…
Existe em toda a parte, ao léu da Vida, asperso
E a Música o modula em gradações de tom…

Blasfemador, ardente, amoroso ou perverso
Quando a Paixão que o gera é Marília ou Manon…
Mas é sempre a Paixão que o faz vibrar diverso;
Se o inspira o Ódio é mau, se o gera o amor é bom…

Diz a História Sagrada e a Tradição nos fala
dum amor inocente (o mais alto destino):
A Paixão de Jesus, o perdão a Madalena.

Homem, faze do Verso o teu culto pagão
E canta a tua Dor e talha o alexandrino
A quem te acostumou a ter Arte e Paixão”.

É, meus amigos, recorrer à poesia é sempre um modo de cantar a vida. Pode-se até mesmo deixar de lado a forma alexandrina, mas, não, jamais, de buscar na arte, na poesia, um bom motivo para viver. Como escreveu Friedrich Nietzsche "A arte e nada mais que a arte! Ela é a grande possibilitadora da vida, a grande aliciadora da vida, o grande estimulante da vida". Em suma, a arte é, de fato, uma ode à vida, de modo que vida e poesia se confundem. Assim dar uma viva à poesia é dar um viva à arte e à vida!

Ilustração: Travessia Poética.

quarta-feira, março 13, 2019

IDÉIAS USADAS POR LOJAS E NEGÓCIOS DE SUCESSO



O varejo, em qualquer lugar do mundo, está se tornando muito mais competitivo. É verdade também que a escala pesa, ou seja, e isto é observável em Porto Velho, as grandes redes, com compras muito maiores e, via de consequência, preços mais baixos, abocanham pedaços crescentes do mercado. No entanto, há lojas e empresas micros e pequenas que se modernizam e criam formas de relacionamento com os clientes que alcançam também muito sucesso. Sem dúvida, um fator importante, fundamental para isto é o uso das informações, dos dados obtidos sobre os seus clientes. Na prática, todo mundo colhe dados sobre seus clientes, mas, usam bem? Aí é que reside o problema da grande maioria. Ou não colhem bem os dados ou colhem, porém, não sabem usar os dados que possuem. Hoje, para um negócio ser bem sucedido, é indispensável que se tenha informações como as do aniversário do cliente, a sazonalidade e o intervalo de suas compras para chamar sua atenção, estimular suas visitas e compras. Assim manter um cadastro dos clientes e usá-lo bem é uma das formas mais eficientes de aumentar e manter sua clientela.
É verdade que, muitas vezes, existe uma resistência ao cadastro. Em geral o cliente quer ser atendido o mais rápido possível e a coleta de dados é vista como algo indesejado. Mas, existem formas de driblar este empecilho. Uma delas é prover os vendedores de um sistema móvel que permita que registrem dados durante o atendimento, afora as compras por crediário que possibilitam isto sem grandes problemas. Outro jeito indolor de obter dados é oferecer wi-fi grátis, desde que o cliente se cadastre. Muitas empresas fazem isto, via o próprio celular do cliente, o que facilita ainda mais. Também uma forma atrativa é a de criar promoções onde os clientes precisam se cadastrar. De qualquer forma, quem pretende ser competitivo precisa usar bem seu cadastro. E existem outras ações simples que melhoram o seu atendimento e o aproxima dos clientes. Eis algumas delas de forma resumida:

     1)     Investir no pós-venda- Todo cliente fica satisfeito quando, por um telefonema, whatsapp ou via e-mail, a empresa procura saber de sua satisfação. Então, fazer pesquisas como o cliente foi atendido na sua empresa é uma forma muito boa de manter a gestão de sua clientela;
2   2)     Presenteie no aniversário- Em geral as empresas se limitam a mandar uma mensagem de parabéns que é tida mais como uma ação de marketing do que uma atenção real. Inove. Ainda que seja uma lembrancinha sem grande valor econômico, se for original ou engraçada ou tiver um diferencial que o cliente reconheça como direcionada para ele, pode ter certeza, que vai gostar. Algumas empresas oferecem cupons de descontos para o aniversariante o que também é válido;
    3)      Personalize seu cadastro- Na medida em que seu relacionamento com o cliente aumenta também melhore a qualidade de seu cadastro. Recolha mais informações sobre ele para fazer ofertas e promoções. Sempre dá resultado;
4 4)   Crie uma forma de fidelização- Muitas empresas usam cupons, que quando atingem uma certa quantidade, dão direito a alguma coisa; outras criam um clube de vantagens que oferece mais ofertas e descontos na medida em que se compra mais;
5  5)   Mantenha uma loja virtual- Hoje quem não está na internet, de fato, não está no mundo. Assim não basta usar o Facebook ou o Instagram para divulgar sua empresa. Também outros meios que permitam a visualização ou a compra via internet são essenciais para os negócios modernos. É indispensável associar a loja física a um site; e
6 6)    Segmente por perfis- É preciso acessar o cliente de acordo com suas características. Logo aglutinar seus clientes por faixa etária, assiduidade, tíquete médio, etc. ajuda a direcionar eficientemente sua comunicação levando a melhores resultados.

De qualquer forma, é indispensável o uso da tecnologia para se relacionar com o consumidor. É uma  enorme vantagem competitiva para as empresas, em especial as pequenas. E, no mercado, existem soluções para negócios de todos os portes e capacidades financeiras (aplicativos). Pode ser difícil, às vezes, mudar a forma como se atua, porém, se a empresa  não realizar ações com base nos dados dos clientes, no mercado, hoje, tende a ser superada por seus concorrentes.


sexta-feira, dezembro 14, 2018

A FLEXIBILIDADE DOS HORÁRIOS NO MUNDO DO TRABALHO



Embora o mundo esteja mudando muito rapidamente nem sempre isto é percebido pelas pessoas, principalmente, as que estão em cargos de chefia. No Brasil isto é uma realidade latente. Basta ver que ainda existe muita cobrança sobre a questão do horário de trabalho das pessoas. A própria modificação da lei trabalhista, que dá maior flexibilidade para todos, por exemplo, foi imensamente combatida pela percepção pouca prática dos próprios sindicatos, que não compreendem os novos tempos. Ainda trabalham com a concepção de que é melhor manter privilégios para poucos do que conseguir gerar renda para muitos. É preciso ver que o sucesso no trabalho não pode ser mais medido pela presença, pelo número de horas que a pessoa passa no seu local de trabalho, mas, sim pelos resultados que consegue. Basta ver que a Gallup verificou que 43% dos americanos empregados passavam o tempo trabalhando remotamente a partir de 2016, um aumento de 4% desde 2012. Mais importante ainda a percentagem de trabalhadores norte-americanos que trabalhavam fora do escritório aumentou de 24% para 31% no mesmo período de 4 anos. Assim a  Gallup verificou que as oportunidades de programação flexível e de trabalho, a partir de casa, desempenham um papel importante na decisão de um funcionário de aceitar ou deixar um emprego. Pelo menos, nos Estados Unidos a agência constatou que "Os funcionários estão forçando as empresas a quebrar as estruturas e políticas tradicionalmente estabelecidas que influenciavam seus dias de trabalho".
É uma nova forma de ver as coisas que é correta: não é ter alguém sentado numa mesa de escritório por um determinado número de horas por dia que irá aumentar a produtividade da empresa. Ele pode passar horas sentado sem produzir nada. Esta a razão pela qual deslocar o local ou as restrições físicas do trabalho  para onde o trabalhador vai se aplicar melhor aos trabalhos de escritório / criação / serviços é uma grande vantagem. É claro que, cada caso é um caso, mas, há grandes oportunidades criativas para dar flexibilidade aos funcionários da linha de frente. Mesmo que o seu trabalho exija sua presença física, isto também não significa que ele nunca poderá atender a questões pessoais importantes, como necessidades de saúde e resolver seus problemas bancários na hora do expediente. Cada vez mais, e, em 2019, isto deve se acelerar, começaremos a ver que o dia de trabalho de tamanho único será substituído por algo muito mais fluido e flexível, com modificações baseadas em tempo e localização, adaptadas tanto aos objetivos da empresa quanto às necessidades dos seus funcionários. Este dia de trabalho adaptável não é um benefício só para a empresa ou benefício para o funcionário, certamente, não será a exceção à regra e sim um imperativo estratégico para as empresas que quiserem se manter produtivas nos novos tempos. A maior prova é uma pesquisa de Werk revelando que 37% dos funcionários nos Estados Unidos não se sentem inspirados ou energizados por seus locais de trabalho físicos na atual estrutura de jornada de trabalho. Também que quando os funcionários são sobrecarregados com horários de início rigorosos e longos deslocamentos, eles são geralmente menos capazes de se envolver em uma vida saudável e fornecer cuidados adequados para seus filhos e entes queridos. Claro que os escritórios físicos não serão extintos, porém, a flexibilidade dos horários e o trabalho em casa, definitivamente, vieram para ficar. Aqui vale lembrar  as palavras da CEO da Microsoft, Saty Nadella, "O trabalho não é mais um lugar para onde você vai. O trabalho é fazer as coisas acontecerem onde você está."


sexta-feira, novembro 30, 2018

ANOTEM O NOME DELE É LISCA, O SEMEADOR DO IMPOSSÍVEL



Loucura e genialidade sempre andaram muito próximas. E o meu personagem deste Brasileirão é, sem dúvida, o melhor técnico do torneio. Bem, Felipão poderia ser melhor, mas, não é. Efetivamente, ao meu ver, fez menos do que se esperava dele, embora este menos tenha sido muito bem feito. Mas, seus feitos atuais não são iguais, nem chegam perto, na verdade, do que fez o senhor  Luiz Carlos Cirne Lima de Lorenzi, muito mais conhecido como “Lisca Doido”. Doido??? Que me perdoem os que pensam o contrário, porém, deveria ser conhecido mesmo como Lisca Gênio. Basta pensar que acumula em sua carreira como técnico feitos impensáveis, como, por exemplo, fazer o Juventude recuperar uma vaga na Série C, eliminar o Grêmio no Gauchão de 2012; no Guarani livrou o time da série C; também devolveu o orgulho ao Náutico, quando, depois de longo tempo, voltou a vencer o Sport, sedimentou a volta do Paraná nos primeiros jogos do ano passado e, este ano, fez o Ceará, numa campanha histórica, escapar do rebaixamento.
Quando o Ceará terminou o primeiro turno com apenas 3 pontos ganhos e Lisca assumiu o Vozão, a equipe nordestina se encontrava na lanterna do Brasileirão, e, muitos comentaristas abalizados já o consideravam um time  “garantido” na série B 2019. Não contavam com Lisca. E a chegada do treinador modificou todas as expectativas, e fez o Ceará chegar na penúltima rodada salvo do rebaixamento e fazer, no segundo turno, uma campanha notável acumulando até agora 40 pontos mais! Ou seja, fez 78% dos 51 pontos possíveis! Como se explica isto? Afinal o elenco pouco mudou e o Ceará teve antes bons treinadores. Bem, a verdade é que Lisca não se explica. Ele, com sua experiência de técnico andarilho, semeador de bons times nas divisões de baixo, é, hoje, um treinador dos melhores que este país tem. E não digo isto por ser um torcedor do Ceará. É claro que isto pesa para louvá-lo, mas, o reconhecimento seria quase o mesmo se tivesse feito a façanha por qualquer outro time. O que pesou, de fato, é que ele sabe tirar dos seus comandados o melhor possível, tem o indiscutível dom de saber estruturar uma equipe, de infundir ânimo e entusiasmo no seu time. Ora, podem dizer, todavia, amigo não é só ele. É verdade. Há outros técnicos que fazem a mesma coisa, que tem a mesma capacidade de construir equipes. O que Lisca tem a mais, seu toque de gênio, é sua coragem de, por exemplo, ter pego o Internacional destroçado e ser o seu condutor para a segunda divisão, sem medo. Assim, como sem medo, pegou um Ceará destroçado e salvou. Quantos terão o mesmo talento e coragem? Doido? Doidos assim são indispensáveis para fazer história. E este ano Lisca fez! Contra os que não sabem sonhar mostrou que o impossível não resiste a um trabalho bem feito. Salve Lisca, os torcedores do Ceará e os reconhecedores de talento te saúdam!

quinta-feira, novembro 08, 2018

OS DESAFIOS DO GOVERNO BOLSONARO



O novo presidente da República, Jair Bolsonaro, possui uma oportunidade única de fazer com que o Brasil avance, realmente, em direção a um futuro melhor. O otimismo que o envolve começa pelo fato de que, ao contrário dos presidentes anteriores, sua ascensão é bem vista pelos principais parceiros e países do nosso país. O comportamento do mercado e a queda do dólar são os sintomas mais evidentes desta visão, mas, já houve manifestações de que os investimentos estrangeiros deverão também aumentar com o novo governo. Neste sentido, a sua sinalização de que pretende negociar com o mundo inteiro, bem como melhorar o ambiente de negócios, inclusive com maior privatização e desburocratização, soa como música aos ouvidos dos empreendedores e investidores nacionais e estrangeiros.
O governo Bolsonaro, no entanto, terá que fazer alguns esforços em áreas que precisam, efetivamente, de uma maior atenção e são importantes instrumentos para a geração de emprego e de renda, bem como fundamentais para iniciar um novo ciclo de desenvolvimento econômico. Claro que a economia surge como prioridade. Sem o controle das contas públicas, sem os recursos para manter as atividades administrativas e os investimentos necessários em infraestrutura, o seu governo terá muito maior dificuldade. Todavia, neste primeiro ano, bastará que tome as iniciativas corretas para que já passe a ter um crescimento mínimo de 3%, o que não é o ideal, mas, o possível no início de governo. O setor financeiro deve merecer atenção especial. Como também o turismo, que tem um imenso  potencial, se  tratado com o foco que merece. Este ano o substancial aumento de turistas no carnaval já mostrou a força do setor, mas, dados do Conselho Mundial de Viagens (WTTC), demonstram que o turismo tem sido responsável por um em cada cinco empregos gerados no mundo na última década. No Brasil são 2,9 milhões de empregos e 6% do Produto Interno Bruto-PIB, bem abaixo do que representa o setor no PIB Mundial (10,4%). E o Brasil, que possui vantagens competitivas diferenciadas, com um amplo leque de  paisagens, clima e cultura para os mais variados perfis de viajantes, pode abocanhar um pedaço muito maior do mercado mundial de turismo. Previsões modestas detectam a capacidade de, em dois anos, criar, pelo menos, 1,8 milhões de empregos e injetar cerca de R$ 10 bilhões no país somente com medidas acertadas, como uma melhor divulgação, desburocratização, redução de impostos para a atração de investimentos no setor.  Acrescente-se que, o turismo tem um enorme efeito cascata, por abranger mais de 60 tipos de atividades econômicas, e ainda permitir a utilização de jovens no mercado do trabalho, ajudar na revitalização e conservação dos patrimônios histórico, artístico e cultural. É claro que isto passa também, em determinados locais, como o Rio de Janeiro ou Fortaleza, pelo combate à violência, o que é bem mais complicado. Ocorre que, em outros espaços do Brasil, em particular na Amazônia, bastará um programa de investimentos bem feito, e envolvimento da população em projetos de turismo regionalizados, para se conseguir aumentar, significativamente, o fluxo de turismo. E o turismo é um indutor de uma necessidade básica do país: uma educação de qualidade. Aliás, espera-se que o governo Bolsonaro faça o que, efetivamente, nunca foi feito na educação: um esforço sério e continuado de melhorar o nível da escolaridade brasileira. Há muito o que ser feito, mas, iniciar um grande esforço na área é essencial e uma tarefa urgente.

sexta-feira, outubro 26, 2018

A DESSARUMAÇÃO DO SISTEMA POLÍTICO



Lula, que sempre foi o dono do Partido dos Trabalhadores-PT, afirmava que quando assumisse o governo daria solução para os problemas brasileiros. E passou mais de trinta anos chamando os outros partidos de corruptos, pregando a divisão de classes (o nós contra eles), xingando as elites (ainda quando comandava o país, ou seja, quando era ele é a elite-mor). Não se pode dizer que não teve seus quinze minutos de fama: amparado na multiplicação das benesses a sindicalistas, órgãos de comunicações e movimentos sociais montou a maior claque que o Brasil já teve. E, navegando no crescimento mundial e na liberação do crédito, fez a população acreditar que o Brasil, de uma hora para outra, tinha acabado com a fome, criado uma via de desenvolvimento sustentável e se transformado em país de primeiro mundo. A fantasia durou enquanto duraram as burras cheias de dinheiro do tesouro. Já no final do seu segundo mandato as coisas estavam feias, mas, pioraram significativamente quando entregou o cetro à Dilma Roussef, apresentada como a “gerente”. E ela gerenciou a derrocada por quatro anos. E, não satisfeita, apesar do rombo que o caixa apresentava, partiu para ganhar um segundo mandato, onde não somente gastou milhões com empresas de marketing político e de comunicações, utilizando amplamente as mídias sociais, inclusive fazendo o que, hoje, acusam Bolsonaro de fazer, o WhatsApp, com mensagens propagandísticas. Elegeu-se, mas, a deterioração do governo e do partido já havia alcançado limites inimagináveis: nunca antes neste país houve tanta corrupção. Todos os outros partidos estavam envolvidos, pois, o PT havia comprado todo mundo no atacado ou no varejo. A Lavajato explodiu o tumor e a credibilidade do PT foi para o ralo. O povo viu que Lula havia acusado os outros do que sabia fazer muito bem. Não são as mídias sociais, nem a inteligência ou a esperteza de Bolsonaro que estão derrubando o PT. O PT, hoje, luta contra o povo que acreditou nele. Pode mudar as cores, todavia, não pode mais se apresentar com a cara limpa e honesta que um dia já teve. Efetivamente, o povo não esquece o estelionato eleitoral de que foi vitima, da enganação maciça, da tapeação gigantesca que foi a reeleição desastrosa de Dilma. Nem de que, com ela, começou a pagar a conta do que o PT denomina, hoje, dos “anos felizes”: recessão, desemprego, corrupção e endividamento. Bolsonaro foi o felizardo por sua luta contra o que sabia ser errado. Com todas as suas contradições e limites encarna a mudança. Encarna a decência contra a corrupção, a esperança de paz contra a violência predominante, a esperança na política e nos políticos. É uma aposta que pode não dar certo? É. Mas, o povo não quer mais o PT. O PT não entendeu que não luta contra Bolsonaro, mesmo com a fala lúcida de Mano Brown. Luta contra a maioria da população que não aceita mais o partido. Não há a mínima condição do PT ganhar. Os petistas se desesperam gritam, esperneiam, choram, chamam os outros de fascistas, inventam fakes, usam crianças numa propaganda que chega às raias da inconsequência, querem puxar o tapete, mudar o mundo e as regras. O problema é que a democracia é uma questão aritmética, de voto: ganha quem a maioria quer. E o nome está na rua, na mídia e estará nas urnas do dia 28: Jair Bolsonaro. É uma aposta na interrogação, porém, os brasileiros preferem o desconhecido ao que já se provou ineficiente e danoso. Bolsonaro é a desarrumação popular contra tudo que está aí e que o povo não quer mais.